17.2.02


Estrelas, o nosso destino? Deu no JB de hoje: a NASA já começa a discutir a possibilidade de uma missão tripulada para colonizar um planeta no sistema estelar de Alpha Centauri (que fica em nossa galáxia e não em outra, como disse o coleguinha americano do jornal The Independent, de quem o JB publicou a matéria, ou quiçá seu tradutor). Um dos principais entrevistados pelo jornalista Steve Connor foi Geoffrey Landis, apontado como especialista em foguetes. Mas não só: Landis é escritor de ficção científica, e dos bons. Traduzi um conto já clássico dele para a falecida versão brasileira da revista Isaac Asimov Magazine (Ondulações no Mar de Dirac), e tive o prazer de conhecê-lo numa convenção do gênero na Escócia em 1995. Landis, que participa da Associação Americana para o Progresso da Ciência (e não Avanço, como está na tradução), faz parte de uma equipe criativa que vai tentar determinar o que é realmente viável para uma viagem desse porte. Para quem não sabe, Alpha Centauri é uma estrela localizada a cerca de quatro anos-luz do nosso planeta, e com a tecnologia atual levaríamos no mínimo algumas centenas de anos para chegar até lá. Não sei, mas desconfio que deveriam ter convocado outro ilustre escritor para participar dos esforços. Kim Stanley Robinson, que é ecologista e há alguns anos escreveu a obra definitiva sobre uma possível colonização de Marte: a Trilogia Marciana, composta dos romances Red Mars, Green Mars e Blue Mars. Parecem títulos bobos? Mas os livros são um biscoito finíssimo, considerados por críticos americanos o Guerra e Paz da FC. Motivo? Porque tocam em um ponto pouco explorado por livros desse tipo: o que pode acontecer (de bom e de ruim) com a cabeça das pessoas que partem em missões de colonização dessa natureza. Pra pensar - e muito.
Ah, sim: rendi-me novamente ao sistema de comentários. Há alguns meses a gALLera blogueira vem utilizando o Fala Sério, do Ernani Martins, e até hoje não vi uma reclamação. Rendo-me, portanto, às evidências. E vamos em frente!
Ontem tive o prazer de descobrir mais um weblog jornalístico na área. É o Picadinho Diário, do coleguinha Ivson. Nesse blog ele promete uma atualização quase diária da coluna Coleguinhas, Uni-vos!, a mais recente reencarnação do site de mesmo nome que ele manteve heroicamente de 1996 até o ano passado. Se você quer informação confiável sobre o que anda acontecendo no métier, coloque o Coleguinhas em seus favoritos. Já está aqui na coluna da esquerda. Vida longa e próspera, Ivson!

16.2.02


O tempo é cada vez menor mas a informação aumenta em proporção inversa: haja blog! Ainda bem que a natureza abomina o vácuo: após o infeliz e lamentado passamento da persona de Jackie Miller, o blogverso ganhou um aliado na figura do Gravatá, cuja coluna no caderno Informática Etc do jornal O Globo trata agora exclusivamente de blogs. E foi lá que eu tomei conhecimento de alguns blogs bacanas que já estão entre os meus favoritos. Senão, vejamos:

Vitrola Louca - quem pilota as carrapetas é ninguém menos que Bruno Gouveia, vocalista do Biquíni Cavadão. Toques interessantes e polêmicos sobre música e cotidiano. Destaque para o post recente descendo a lenha nos CDs piratas - que provocou alguns comments irados dos leitores.

Lésbicas - mulheres que se assumem e se levam a sério sem perder o bom humor.

Imprensa Marrom - este blog já é velho conhecido da gALLera. Dropes mordazes e inteligentes. Um dos blogs jornalísticos preferidos de quem entende das coisas.

Discoteca Básica - Como é que eu fui esquecer justo deste blog? Eu estava devendo um link para este excelente blog do Ricardo Schott, niteroiense de boa cepa, profundo conhecedor de rock mas que não tem nenhum preconceito com outras formas de vida inteligente do universo musical. Confiram!

Tem mais depois, mas por ora é só. Divirtam-se!

E não é o que o tal sujeito citado no post abaixo recalcitrou? Pois é, o Navegue Melhor voltou a copiar e colar sem autorização textos deste Lanceiro e de outros colegas do Web Insider. Aguardem para esta semana um artigo sobre ética online na revista digital do Vicente Tardin.

13.2.02

A informação é livre mas não é grátis. Não me entendam mal: sou defensor do conceito de software livre, de open source, copyleft, informação livre, enfim, de tudo o que possa fazer com que as pessoas tenham acesso à informação.

Mas que citem a fonte.

Hoje recebi um e-mail do Vicente Tardin, meu amigo e editor da revista digital Web Insider, para a qual colaboro. O e-mail não era endereçado a mim (recebi uma cópia), mas ao editor desconhecido de um site que simplesmente anda pegando matérias nossas e publicando sem citar a fonte. Eu nem deveria dizer o nome do site, mas é preciso, só para que vocês se previnam: é o Navegue Melhor (sem link, evidente). Segundo o Vicente, ele também anda aplicando o golpe do Ctrl C + Ctrl V na Info!

E depois do carnaval, o Brasil entra nos eixos (se é que ainda sobrou algum eixo, depois de quase oito anos de desgoverno). Vamos em frente.